Técnicas para emendas em instalações eletrica residencial

eletrica-residencial
0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

Essa tarefa é comum em qualquer serviço de elétrica que ira fazer, no entanto seja por mau habito ou mesmo por falta de conhecimento, é muito comum que muitos profissionais não façam essa tarefa adequadamente, assim não prevenindo a segurança e funcionalidade.

Além disso, essas má emenda são os principais motivos para um problema no circuito, devendo assim evitar o máximo para que não haja dores de cabeça futuras.
Aprenda como fazer a instalação de ar condicionado split
Como fazer a instalação de quadro de distribuição
Como montar transformador monofásico
Emendas num condutor podem causar perdas significativas por dissipação de calor, caso a emenda não seja feita corretamente, ou seja, má isolada. Com o tempo e o desgaste pelo aquecimento podem inutilizar essa parte da instalação.

A seguir algumas dicas de como fazer uma emenda correta e com o mínimo de perdas;

Dicas:

A decapagem das extremidades dos condutores deve ser feita com ferramentas apropriadas, e de um tamanho mínimo de 40 vezes a bitola do fio.

Nunca utilize de estiletes para desencapar fios, pois o estilete é flexível e frágil, inadequado para trabalhos robustos. Caso não possua uma ferramenta especializada, utilize um canivete para tal fim.

Para isolar a emenda enrole a fita isolante igual à espessura da isolação do próprio fio. Não utilize pouca fita, isso pode causar perda de calor e sobreaquecimento.

Para a junção dos fios, utilize um alicate universal, pois ele conclui melhor a emenda, assim não tem perigo das pontas furar a isolação.

Sempre que possível fazer a soldagem das emendas elétricas, para maximizar a resistência mecânica e a condutividade, já que o estanho usado na solda funciona preenchendo todo os espaços deixados pelo trançado da emenda.

Técnicas:

Emendas do tipo prolongamento:

É a emenda utilizada para aumentar o comprimento do condutor, feita simplesmente trançando os fios. Neste tipo de emenda, é importante usar condutores de mesma bitola para não prejudicar demais a condutibilidade do fio.

  • Condutores rígidos:

Para os fios rígidos, deixe os dois condutores desencapados formando um ângulo de 90°, usando um alicate universal para mantê-lo unidos. Com a outra mão apenas gire assim mantendo as partes juntas. Mantenha o ângulo ate que tenha obtido todo o fio traçado.

 

Dobre para dentro as pontas para que não tenha perigo de furar o isolante. Esta emenda é bem conhecida como rabo de rato e após isto é só soldar e isolar.

  • Condutores flexíveis

Assim como os fios rígidos, faça o ângulo de 90°, trace as pontas com o dedo, sempre no mesmo sentido e deixando o ângulo.

Para finalizar utilize um alicate universal para fazer o aperto e cortar as pontas afiadas. Para fazer a isolação, dobre toda a parte viva sobre o condutor, dando aspecto de fio continuo, e isole.

Postar Comentários

Comentários

About

View all posts by

One thought on “Técnicas para emendas em instalações eletrica residencial

  1. professor poderia me tirar umas dúvidas?
    estudei algumas matérias de elétrica na faculdade, mas sou de outro curso, e pelo pouco q vi meu circuito aqui de casa é todo mal feito, prédio antigo, tudo mal dimensionado pro presente. chamei o eletricista e estou remontando o circuito do imóvel de acordo com o q aprendi na faculdade e o q tenho pesquisado em sites de elétrica, estou comprando o material e pedindo ao eletricista pra fazer segundo meu critério. então… minha tensão é 127V (variação mín 117V a 133V máx), meu chuveiro elétrico comprei de 3200W, pede disjuntor de 30A cabo de 4mm, eu coloquei disjuntor de 32A e cabo de 6mm² (distância de 7m do quadro ao chuveiro). ai temos um problema…
    o disjuntor geral do imóvel é de 30A e o cabo do geral ao quadro é de 4mm (20m de distancia com eletroduto), ou seja, situação bem complicada. estou usando o chuveiro no mínimo tem potência de 2000W o q da 17A corrente. no caso, não posso usar o chuveiro no máximo 3200W pois já consome 27A. daí qdo usa o chuveiro não pode usar forno elétrico ou máquina de lavar, pois iria passar os 30A e desarmar o geral. por enquanto estou usando com esses cuidados, mas pelo q estou projetando e conversei com o eletricista vou melhorar no possível, atualmente são ao todo 4 circuitos no imóvel instalados dessa forma: 1 dedicado ao chuveiro (disjuntor 32A) cabo de 6mm², 1 pro ar-condicionado 7500 btus (disjuntor 25A) cabo de 6mm², 1 pra sala + banheiro + quartos (disjuntor 20A) cabo de 2,5mm² para TUG e 1,5mm² pra iluminação, outro pra cozinha + lavanderia (disjuntor 25A) com cabo de 6mm². pelo meu gasto aqui calculo q não gastaria mais de 45A ligando muita coisa ao mesmo tempo. pq qdo usa chuveiro (no frio) não usa o ar (calor pra dormir).
    ou seja, o q ta pegando são 2 coisas…
    a primeira é q o disjuntor q coloquei no chuveiro nunca vai desarmar, pq é 32A, logo se bater 30A desarma o geral.
    o segundo e maior problema é q o cabo do geral é 4mm².

    de imediato o q vc me aconselharia? posso colocar um disjuntor de 32A no GERAL por enquanto? caso coloque 32A no geral, suponhamos q tivesse apenas o chuveiro ligado e q desse uma sobrecarga no chuveiro q passasse dos 32A, desarmaria o chuveiro apenas, o geral apenas, ou os 2 desarmariam?

    só vou poder mudar a fiação do geral no final do ano, então até lá vai ficar com cabo de 4mm², mas vou colocar cabo de 10mm do GERAL ao quadro com disjuntor de 50A. ai fica bom.
    o resto da bitola do imóvel tá dimensionada corretamente ou até superdimensionada, mas o q preocupa mesmo é o geral. enquanto não mudo controlo o q gasto pra não desarmar o geral.

    me tira outra dúvida, leio em alguns lugares cada um fala uma coisa.
    esse cabo RÍGIDO de 4mm passado em eletroduto VELHO de 60 anos atrás q ta no geral suporta até 28A ou 32A sem esquentar?
    pois se colocaram disjuntor de 30A suponho q foi pensando nos 28A, pois não existe disjuntor de 28A, então to com medo de colocar o disjuntor de 32A no geral e trabalhar superaquecido com o cabo de 4mm qdo o consumo atinge 29A em média.

    todos os disjuntores são curva B. o geral é um 30A NEMA, devo colocar um 32A curva C na bitola 4mm² do GERAL por enquanto?

    desculpe pelo textão, mas sua resposta é muito importante pra mim, pois é professor e pelos eletricistas q eu consulto o pouco q sei é mais seguro q o conceito deles, pois eles sabem fazer a instalação, mas não dimensionar corretamente.

    eu sei q o correto seria um novo projeto pra residencia toda, separando os circuitos para iluminação com disjuntor de 10A curva C e cabo 1,5mm, outro circuito para tomadas TUG com 16A ou 20A curva B e cabo 2,5mm, circuitos individuais para cada tomada TUE com cabo especifico de acordo com a demanda do aparelho curva C e o geral acompanhando e o de maior demanda curva C também, mas como o prédio é bem antigo não é possível o mesmo, então posso apenas fazer adaptações necessárias pra um bom funcionamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *