Portal Eletricista

Dicas Gerais sobre instalação elétrica

Fusíveis – Proteção contra elevações de corrente elétrica.

Proteção contra elevações de corrente elétrica: Conheça o Fusível
68 Flares Twitter 0 Facebook 68 Google+ 0 68 Flares ×

Um dispositivo simples que serve como proteção de circuitos elétricos bem como equipamentos, é o chamado fusível. Ele pode ser encontrado em instalações elétricas de baixa tensão aonde protege cargas como por exemplo lâmpadas e até mesmo em sistemas complexos de geração e distribuição de energia, por seu baixo custo e ter operação simples. Recomendado também para aplicações nas quais se deseja proteção eficaz contra sobrecorrentes ou curto-circuito.

O que é fusível?

É todo e qualquer dispositivo que contém um componente o qual entra em fusão quando a corrente elétrica no circuito em que foi instalado excede um valor pré-determinado durante um intervalo de tempo específico e suficiente à sua atuação, sendo que ele interrompe a corrente cessando assim a alimentação nos condutores. Operam fundindo um elemento sob o efeito da elevação na corrente normal de funcionamento presente nos alimentadores, que provoca um aumento de temperatura resultante. Podem ser utilizados em indústrias e oficinas, contendo máquinas, motores e fornos elétricos de média e grande potência ou até mesmo em alguns imóveis e condomínios residenciais desde que exista nestes a presença de um profissional que seja encarregado de prestar a manutenção necessária.

A principal finalidade do fusível seria realizar a proteção de elementos numa instalação (mesmo que em baixa tensão), além de preservar o patrimônio e a integridade de pessoas e animais. Em linhas gerais, atua em condições de sobrecorrente e curto-circuito, sendo proteção adicional que evita danos a equipamentos, incêndios ou inutilização dos componentes que integram os circuitos alimentadores.

Tipos de Fusíveis 

Existem três categorias de fusíveis conforme a eficiência de operação e aplicações a que se destinam. Conheça a seguir cada tipo específico.

Fusíveis de Efeito Rápido  – Utilizados em aplicações simples nas quais a carga acionada pela rede elétrica não apresenta picos de corrente, ou seja, a corrente consumida pelo equipamento através de sua ligação a tomadas não assume valores elevados, por exemplo lâmpadas, fornos elétricos, etc.

Fusíveis de Efeito Retardado – Utilizados em circuitos nos quais a corrente de partida dos equipamentos assuma valores bem superiores aos que possuem nas condições normais de funcionamento ou em situações aonde ocorre sobrecarga momentânea dos circuitos (pequenos intervalos de tempo), é o caso dos motores elétricos e cargas capacitivas respectivamente.        

Fusíveis de Efeito Ultra-Rápido – Aplicados em situações nas quais a carga a ser alimentada possui circuitos eletrônicos ultrassensíveis constituídos por elementos semicondutores, tiristores, GTO’s e diodos interrompendo a corrente quando houver um curto para evitar danos a essas partes constituintes.

Proteção de Circuitos: Instalação dos Fusíveis

Dimensiona-se um fusível de acordo com três características fundamentais, que especificam sua operação conforme a definição: corrente nominal, corrente de curto-circuito e tensão nominal, informações que auxiliam na escolha de qual espécie desse dispositivo será adotada como proteção.

Os formatos comerciais que costumam ser utilizados mais frequentemente são os fusíveis NH e Diazed. Suas especificações determinam as circunstâncias em que tais dispositivos são capazes de atuar. Precisamos identificar muito bem os conceitos e o mais importante, não confundi-los, afim de saber para qual aplicação destina-se o uso desses fusíveis mencionados.

Características dos Fusíveis:

Corrente Nominal – Seria o valor de corrente suportável pelo fusível, sem que ele interrompa a alimentação do circuito o qual esteja protegendo. Tal dimensão consta no corpo de porcelana que integra o dispositivo.

Corrente de Curto-Circuito – Corrente máxima que ao percorrer um circuito elétrico deve ser interrompida pela queima do fusível, utilizado a título de proteção conforme citado.

Capacidade de Ruptura (kA) É a corrente que pode ser interrompida pelo fusível no circuito com segurança e não depende da tensão máxima correspondente à instalação.

Tensão Nominal – Valor de tensão que pode ser suportado pelo fusível, mediante o qual ele irá atuar normalmente em condições extremas de temperatura. Para instalações elétricas em baixa tensão, os valores de tensão indicados são de 500 V para circuitos CA (corrente alternada) e de 600 V para circuitos CC (corrente contínua).

Apresentamos a seguir informações sobre a constituição geral dos fusíveis utilizados mais frequentemente e alguns outros equivalentes que servem para o mesmo objetivo daqueles.

Fusíveis NH

Partes integrantes:

  • Uma base, feita de material isolante aonde são fixados contatos tipo garras contendo molas que aumentam a pressão no encaixe.
  • O fusível propriamente dito, um corpo retangular de porcelana que contém no seu interior o chamado elo fusível (lâminas que se ajustam perfeitamente às garras da base, perfuradas em alguns pontos tornando a seção condutora menor).

Estes fusíveis podem suportar elevados níveis de tensão sem que haja rompimento de seu elo fusível. São indicados para circuitos nos quais ocorrem picos de corrente, bem como aonde existam cargas reativas (indutiva e capacitiva).

Possuem corrente nominal que vai de 6 A a 1,2 kA.

Capacidade de ruptura elevada > 70 kA.

Tensão máxima suportada de 500 V (em circuitos CA).    Fusíveis NH

Fusíveis DIAZED

Partes integrantes:

  • Uma base de porcelana, contendo um elemento metálico em seu interior que é ligado a um dos bornes, sendo que o outro está conectado ao parafuso de ajuste.
  • Tampa também em porcelana, que prende o fusível na base, a qual não fica inutilizada mesmo que ocorra queima do dispositivo, quando então cessa a condutividade da corrente.
  • Parafuso de ajuste que impede a substituição do fusível ideal para a aplicação por outro de maior ou menor capacidade, sua montagem é feita com uso de chave especial.
  • Anel em porcelana com rosca interna que protege a base aberta contendo uma rosca de material metálico, impedindo contatos manuais inadequados na troca do fusível.
  • Fusível feito de porcelana, com extremidades aonde está afixado um fio de cobre ou metal recoberto por zinco.

No interior desses fusíveis existe areia especial que tem a função de interromper o arco elétrico (centelha azul que surge durante o curto-circuito) e evita explosões que possam ocorrer com a queima do fusível.

Os fusíveis DIAZED podem ser de ação rápida, próprios para circuitos aonde não existem cargas com pico de corrente (resistivas) do tipo lâmpadas e fornos e de ação retardada, implantados em circuitos contendo motores (carga indutiva) e capacitores pois apresentam corrente que atinge picos, cuja operação é mais lenta devido a essas correntes máximas provenientes de cargas reativas serem instantâneas.

Possuem corrente nominal máxima de 100 A.

Capacidade de ruptura equivalente a 70 kA.

Tensão máxima suportada de 500 V (em circuitos CA).

Fusíveis DIAZED feito de porcelanaOutros fusíveis equivalentes:

 Fusível SITOR (Silized)

Fabricado em 5 tamanhos diferentes

Corrente nominal de 16 A a 900 A (corte ultrarrápido)

Tensão nominal: 600 V a 2,5 kV (CA) e 440 V a 600 V (CC)

 Fusível SITOR (Silized)

Fusível Neozed

Ação Retardada

Roscável

Tensão Nominal: 400 V (CA) e 250 V (CC)

 Fusível Neozed Ação Retardada

Fusível DIAZED gG

Fabricado em tamanho DII

 Roscável

 Tensão nominal: 500 V (CA) e 220 V (CC)

Fusível DIAZED gG Fusível Cilíndrico

 Fabricado em porcelana com dimensões 10 x 38 cm

 Fusível para aplicações em geral

 Ação com retardo

  Fusível Cilíndrico para aplicações em geral

 Conclusões

 Nas instalações de um modo em geral, precisamos garantir a segurança de pessoas e animais, preservar o patrimônio e assegurar a integridade dos fios e cabos elétricos que integram os circuitos. Além dos disjuntores que cumprem o papel de evitar danos por curto-circuito, podemos utilizar fusíveis que conseguem interromper a corrente no momento em que ela torna-se perigosa, evitando acidentes de grandes proporções. Esses dispositivos têm grande utilidade na proteção de toda e qualquer carga, seja ela resistiva aonde a variação de corrente não é grande (a título preventivo) até as cargas reativas (geralmente motores) devido aos picos de correntes que nele se observam. Constituem portanto uma opção a mais que garante o bom funcionamento de uma instalação conforme o previsto.

Postar Comentários

Comentários

5 Responses

  1. alexandre diz

    Boa tarde, eu poderia utilizar um fusivel que funciona em corrente continua em um sistema de corrente alternada ou vice e versa? Desde já agradeço.

  2. Francisco de Assis diz

    Excelente a matèria sobre fusìveis, parabèns a todos que fazem parte do portal do eletricista.

    • Portal_eletricista diz

      Agradecemos pela visita e pelas palavras. O nosso objetivo é trazer um conteúdo de fácil compreensão e entendimento sempre pensando em nossos seguidores e leitores.

  3. claudio diz

    posso utilizar fusível retardado no lugar do ultra rápido? e porque?

    • Portal_eletricista diz

      Até onde eu conheço não pode ser utilizado um fusível retardado no lugar de um ultra rápido.

      Fusível retardado é usado em circuito que no momento da partida alcançam valores muito superiores em relação a corrente normal pra seu funcionamento, muito usado e recomendado para motores elétricos e cargas capacitivas.

      Fusível ultra rápido, usado em semicondutores nas instalações industriais, ou seja, esse é usado em equipamentos eletrônicos pois esses precisam de um corte de rápido em caso de um curto circuito. Mas é sempre bom ler as especificações técnicas dos produtos antes de seu uso.

      O Portal Eletricista agradece sua visita.

POSTAR UM COMENTÁRIO


Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

68 Flares Twitter 0 Facebook 68 Google+ 0 68 Flares ×